segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Reciclagem

A reciclagem teve um aumento significativo nos últimos anos, mas ainda está muito aquém do ideal. A média nacional é de 12% e de países desenvolvidos, da ordem de 30%, conforme a Cooperativa Empresarial para Reciclagem (Cempre), associação dedicada à promoção de reciclagem e gestão integrada do lixo.

Os materiais mais comuns no processo de reciclagem:

Papel
No Brasil, a disponibilidade de aparas de papel é grande. Mesmo assim, as indústrias precisam periodicamente fazer importações de aparas para abastecer o mercado. Quando há escassez da celulose e o conseqüente aumento dos preços do reciclado, as indústrias recorrem à importação de aparas em busca de melhores preços. No entanto, quando há maior oferta de celulose no mercado, a demanda por aparas diminui, abalando fortemente a estrutura de coleta, que só volta a se normalizar vagarosamente.
A intensidade do processo de reciclagem de papel é acentuadamente diferente, de acordo com as regiões brasileiras onde se realiza. Nas regiões Sul e Sudeste, onde se concentram as principais indústrias do País, as taxas de recuperação são altas, em São Paulo a taxa foi de 36%; Minas Gerais – 12,3%; Rio de Janeiro – 5,2%; Santa Catarina – 20,2%; Paraná – 12,9%; Rio Grande do Sul – 3,5% e os demais estados 10%.
No Brasil, há pouco incentivo para a reciclagem de papel. 47% do papel que circulou no País em 2006 retornou à produção através da reciclagem. Esse índice corresponde à aproximadamente 1,332 milhões de toneladas de papel de escritório.

Garrafa PET
O Brasil consumiu 378 mil toneladas de resina PET na fabricação de embalagens em 2006. Atualmente, o maior mercado para o PET pós-consumo no Brasil é a produção de fibra de poliéster para indústria têxtil (multifilamento), onde será aplicada na fabricação de fios de costura, forrações, tapetes e carpetes, mantas de TNT (tecido não tecido), entre outras.
No Brasil, aproximadamente 51% das embalagens pós-consumo foram efetivamente recicladas em 2006, 193,9 mil toneladas das 378 produzidas. As garrafas são recuperadas principalmente através de catadores, além de fábricas e da coleta seletiva operada por municípios.
Dados de quanto é reciclado em alguns países: Japão 62%; Brasil 51%; Europa 38%; Argentina 27% Austrália 27%; EUA 23% e México 11%.

Lata de Alumínio
Em 2006, o Brasil reciclou mais de 10,3 bilhões de latas de alumínio, que representa 139,1 mil toneladas. O material é recolhido e armazenado por uma rede de aproximadamente 130 mil sucateiros, responsáveis por 50% do suprimento de sucata de alumínio à indústria. Outra parte é recolhida por supermercados, escolas, empresas e entidades filantrópicas.
Aproximadamente 94% da produção nacional de latas foi reciclada em 2006. Mais uma vez os números brasileiros superam países industrializados como Japão e EUA. Os Estados Unidos recuperaram 51,6% de suas latinhas, a Argentina 88,2%, e o Japão 90,9%.

Vidro
O Brasil produz em média 890 mil toneladas de embalagens de vidro por ano, usando cerca de 45% de matéria-prima reciclada na forma de cacos. Parte deles foi gerado como refugo nas fábricas e parte retornou por meio da coleta. Em 2006, o setor faturou cerca de 4 bilhões de reais.
46% das embalagens de vidro são recicladas no Brasil, somando 390 mil ton/ano. Desse total, 40% é oriundo da indústria de envaze, 40% do mercado difuso, 10% do "canal frio" (bares, restaurantes, hotéis, etc.) e 10 % do refugo da indústria.
Nos EUA, o índice de reciclagem em 2006 foi de 40%, correspondendo a 2,5 milhões de toneladas. Na Alemanha, o índice de reciclagem em 2004 foi de 91%, correspondendo a 2,6 milhões de toneladas.Índices de reciclagem em outros países: Suíça (96%), Noruega (76%), Itália (61%), Finlândia (72%), Bélgica (90%).

Embalagem Longa Vida
A Embalagem Longa Vida é uma embalagem extremamente eficiente no seu papel de preservação dos alimentos e após o consumo deve ser encaminhada para os programas de Coleta Seletiva. Essas iniciativas estão em crescimento constante e são as grandes responsáveis pela separação dos diversos tipos de materiais recicláveis e encaminhamento das Embalagens Longa Vida para as indústrias recicladoras. 24% foi a taxa de reciclagem de Embalagens Longa Vida no Brasil em 2006 totalizando cerca de 46 mil toneladas.
Cada tonelada de embalagem cartonada reciclada gera, aproximadamente, 680 quilos de papel kraft. No Brasil, é previsto um aumento constante da reciclagem dessas embalagens devido à expansão das iniciativas de coleta seletiva com organização de municípios, cooperativas e comunidade e ao desenvolvimento de novos processos tecnológicos. A taxa de reciclagem mundial é de 16,6% de Embalagens Longa Vida pós-consumo.
O ano de 2006 registrou aumento nos preços das embalagens cartonadas pós-consumo que atingiram R$ 330 a tonelada (ou R$ 0,33/kg), uma valorização de 27% em relação a 2005 (R$ 0,26/kg). A reciclagem gerou R$ 83 milhões, com índice de 24,2%. O Brasil continua líder absoluto nas Américas, mantendo-se acima da média mundial (16,6%) e posicionando-se próxima à média européia (30%).

Link de preço dos recicláveis

5 comentários:

Bete disse...

Olá!
Reciclar é muito imoportante. A preservação do meio ambiente começa com pequenas atitudes diárias, que fazem toda a diferença. Uma das mais importantes é a reciclagem do lixo.
Bjs!

Mariana disse...

Olá, Nice.
Completamente opostos o mote dos nossos blogues, mas apesar do assunto do meu, ambos muito importantes.
Vc é quase que mais uma voz no deserto. Como tantas outras tentando conscientizar o povo sobre um tema tão sério. É isso aí, cada um fazendo a sua parte.
Parabéns!
Ótima tarde pra vc, Mariana

Mariana disse...

Esqueci, obrigada pela visita.

instantes e momentos disse...

ótimo post. Muito bom teu blog;
Maurizio

SIMÔNE SILVA disse...

Olá obrigada pela visita,
olha acho que tive a grande sorte em vc me visitar estou fazendo o TCC sobre um rio que abastece uma cidade e está em estado terminal.

quem sabe podes me ajudar...


Sou apaixonada pela natureza.....